Resgate 24 horas em todo território nacional. +55 44 99155-7195

Alcoólatra é dependente químico? Entenda mais sobre o alcoolismo

Muitas pessoas duvidam se um alcoólatra é dependente químico, pois ligam o dependente somente àqueles que usam drogas. Fique por dentro.

Muitas pessoas duvidam se um alcoólatra é dependente químico, pois muitas das vezes, ligam o dependente somente àqueles que usam drogas ilegais.

Contudo, mesmo que o álcool seja uma substância legal, o alcoólatra é dependente químico, e você verá a seguir alguns motivos para essa afirmação.

Qual é a diferença entre vício em drogas e dependência química?

Primeiramente, nem todos os que são dependentes químicos são viciados, mas muitos viciados são quimicamente dependentes.

Os dois termos significam coisas muito diferentes, especialmente quando se trata de medicamentos prescritos.

Indivíduos que estão em terapia opioide de longo prazo para dor crônica ou doenças terminais podem muito bem ser dependentes quimicamente dos narcóticos que são prescritos, mas isso não necessariamente os qualifica como viciados.

Pelo mesmo motivo, o vício, especialmente para prescrição de narcóticos, álcool, crack, benzodiazepínicos e outras drogas que produzem sintomas de abstinência física, quase certamente inclui dependência química.

Por fim, é importante, no entanto, distinguir entre os dois, para saber também se o alcoólatra é dependente químico.

O que é vício?

Vício, simplificando, é o uso compulsivo de drogas apesar das consequências negativas.

Dessa forma, saiba que ele é caracterizado pelo seguinte:

O vício é mais frequentemente caracterizado como uma dependência mental e física de uma determinada droga.

A dependência mental é frequentemente definida como “quando o uso de uma substância é uma resposta condicionada a um evento ou sentimento”.

Em outras palavras, aqueles que são viciados são frequentemente levados a usar por “gatilhos” emocionais, certos eventos ou situações que desencadeiam uma resposta bioquímica dentro do cérebro que são enormes influências no comportamento viciante.

Atualmente, existem três níveis de transtorno de uso de substâncias, leve a moderada a grave.

O abuso de drogas ou álcool é definido como um problema de substância, geralmente com dois ou três, sendo um deles o vício.

Apesar do rótulo inofensivo, no entanto, aqueles que abusam de drogas e álcool ainda podem sofrer sérias consequências, como overdoses, acidentes de carro, problemas escolares ou de trabalho e até violência e suicídio.

A diferença entre “abuso” e “vício” é que muitos indivíduos que experimentam tais consequências são capazes de parar de usar ou mudar seus padrões de uso sem progredir para o vício total.

A forma grave de transtorno do uso de substâncias é muitas vezes o que é chamado de vício, na medida em que é uma doença física e crônica que na maioria das vezes requer tratamento intensivo e de longo prazo.

E assim como outras doenças graves, pessoas com dependência grave ficam cada vez mais doentes com o tempo, desenvolvem outras doenças como resultado da doença e podem, em última instância, morrer.

O que é dependência química?

Embora o vício muitas vezes inclua dependência química, o inverso não é necessariamente verdade.

A dependência química é, em termos simples, uma reação biológica normal a um produto químico viciante.

Por exemplo, os portadores de dor crônica que estão em um regime de medicamentos opioides quase certamente se tornarão quimicamente dependentes dessa medicação, devido à sua interação com o sistema nervoso central do corpo.

Opioides se ligam a certos receptores no cérebro, causando o aumento da liberação de dopamina.

A dependência se desenvolve quando os neurônios se adaptam à exposição repetida à droga e só funcionam normalmente na presença da droga.

Estes podem ser leves (por exemplo, para cafeína) ou até mesmo para a vida (por exemplo, para álcool).

Para você que não sabe, isso é um forte de indício de crise por abstinência.

No caso das drogas relacionadas com opioides, diferentes áreas do cérebro são afetadas: o caminho da recompensa, que está mais intimamente relacionado ao vício, e o tálamo e o tronco cerebral, que estão diretamente ligados à dependência.

É possível, a ciência tem mostrado, ser dependente de um opiáceo sem ser viciado nele:

Isso é especialmente verdade para as pessoas que estão sendo tratadas cronicamente com (opioides), por exemplo, dor associada ao câncer terminal.

Assim, quando privados do uso, devido ser dependentes, eles podem sofre com abstinência. Mas, eles não são usuários compulsivos de (isso), e eles não são viciados.

A edição anterior do DSM — DSM-IV — definiu o abuso e a dependência de substâncias como dois transtornos separados, mas em 2013, a Associação Americana de Psicologia lançou a quinta edição, descartando ambos os termos em favor do “transtorno do uso de substâncias”.

Por fim, isso indica também que o alcoólatra é dependente químico.

O tratamento é necessário?

Você precisa saber que independente do caso, o tratamento é crucial e totalmente necessário.

O que significa “tratamento”, no entanto, varia tanto quanto os rótulos em si e o que você entende por alcoólatra é dependente químico.

Dessa forma, para aqueles que são quimicamente dependentes de uma determinada substância, eles podem muitas vezes trabalhar com seus médicos prescritores para desenvolver um protocolo de desintoxicação, que muitas vezes envolve afunilar a dosagem da medicação para que ela seja gradualmente eliminada do cérebro.

Doses menores, reduzidas ao longo do tempo, diminuem o “choque” ao sistema de cessação abrupta, e ao final do processo, os efeitos colaterais da retirada são mínimos, se em tudo.

E como a dependência não envolve o caminho da recompensa em quem não é viciado, os desejos que acompanham o vício não são um fator.

No entanto, se você ver um transtorno grave pela falta do uso de substancia, o tratamento a longo prazo se torna essencial.

Isso pode envolver desintoxicação médica, tratamento de clínicas de recuperação e planejamento de longo prazo que fornece mecanismos de enfrentamento biológicos, emocionais e espirituais para retreinar o caminho de recompensa do cérebro e fornecer um plano para a recuperação a longo prazo.

Inclusive no caso do alcoólatra é dependente químico.

Alcoólatra precisa de reabilitação?

Como você viu, sim, alcoólatra é dependente químico, ou seja, acaba necessitando de um tratamento mais especifico.

Ou seja, sim, alcoólatra precisa de reabilitação. No entanto, você precisa saber que não pode ser qualquer tratamento.

Até porque, cada droga, seja ela licita ou ilícita, precisa de um tratamento direcionado e especifico para ela.

Ora, você concorda que os efeitos do crack são diferentes daquele do álcool? O mesmo se repete para sintomas, e dentre outras coisas.

Desse modo, no momento de procurar um tratamento, busque por uma clínica de reabilitação para alcoólatras, com todo apoio a esse tipo de vício.

Além disso, se você tiver dúvidas sobre onde encontrar a melhor e mais próxima opção, entre em contato agora conosco do Grupo Encontre Clínicas de Reabilitação, e garanta um tratamento totalmente adequado.

Tudo para que o dependente químico consiga ter acesso a um tratamento rápido e eficaz.

Compare listings

Comparar