Resgate 24 horas em todo território nacional. +55 44 9155-7195

Quando é o momento certo para internação involuntária ?

Já pensou quando é o momento certo para internação involuntária? Se isso também é uma grande dúvida para você, saiba que existem alguns sinais que vão te ajudar.

Já parou para se perguntar quando é o momento certo para internação involuntária? Qual são os sinais mais fortes que indicam a necessidade desse tipo de ação?

Primeiramente, você deve saber que a dependência química estraga não somente a vida dos usuários, mas também as famílias se tornam participantes desse drama, que infelizmente pode prejudicar toda a base familiar.

Ou seja, com toda certeza pode ser um problema bastante grave, onde hoje a principal solução vem a partir da internação em um local que possa trazer todo o suporte necessário, que são as clínicas de reabilitação.

No entanto, como você já deve saber, a abstinência ou até mesmo o medo, pode acabar gerando uma grande resistência no indivíduo, fazendo com que ele não queira frequentar esse lugar e receber a ajuda necessária.

Mas, em muitos casos, isso se torna essencial, e não oferecer a ajuda necessária ao indivíduo, pode fazer com que ele tenha maiores problemas, forçando a família realizar a internação involuntária, ou seja, contra a vontade.

Porém, existem ainda muitas dúvidas a respeito desse tipo de internação.

Neste post responderemos este questionamento. Fique ligado e boa leitura!

O que dizem os dados?

A dependência química é declarada como uma doença crônica. Além disso, a grande maioria dos envolvidos em certo momento perdem o controle de suas vidas e não dominam mais seus atos.

Portanto, a droga é um inimigo silencioso. Se aproxima devagar e quando se percebe já está envolvido. Seus estragos são muitas vezes irreparáveis.

No entanto, não ficam imperceptível, pois mesmo depois de vencido o inimigo as cicatrizes permanecem.

O 3º Levantamento Sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira, tem sido um referencial da gravidade desse problema. Realizado pela Fundação Oswaldo Cruz, teve a colaboração do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Instituto Nacional de Câncer (Inca) e a Universidade de Princeton, nos EUA.  

Atualmente, este tem sido o estudo mais completo sobre o assunto e apresenta dados alarmantes do consumo de drogas na população brasileira. O estudo apontou a maconha como a droga mais usada no Brasil, seguida da cocaína e do craque.                               

Cerca de 11,9 milhões de entrevistados declararam ter usado a maconha em alguma fase da vida. A faixa etária dos entrevistados foi entre 12 e 65 anos, maioria do sexo masculino.

Por trás desses números existem milhares de famílias que sofrem junto com seus dependentes, e muitas vezes não sabem como agir para resolver o problema.

Sendo assim, começou a surgir uma saída quando o Presidente Jair Bolsonaro sancionou no dia 5 de junho de 2019 a Lei 13.840 que autoriza a internação involuntária para dependentes químicos.

Porém, muitas famílias afetadas se perguntam qual o momento certo para a internação involuntária. Se você atravessa essa batalha e tem essa dúvida, não se preocupe.

O que é a dependência química?

No passado ela foi rotulada com muito preconceito pela sociedade, visto como algo feito para protestar contra a sociedade e os poderes. Hoje, observando seus efeitos a medicina, diz que a dependência química é um transtorno psiquiátrico.

O que a sociedade não entende é que aquilo que começou como um ato de rebeldia teria consequências desastrosas na vida de seus usuários.

Mas, acontece que a brincadeira criou raízes que levou a dependência.

Portanto, o uso das drogas leva a pessoa a uma mudança comportamental progressiva, que em pouco tempo não conhece mais o dependente, nem confia em sua postura.

A reação da família do dependente químico a princípio é negar o problema, tentar esconder, e de uma certa forma criar uma adaptação para conviver com o dependente e o proteger.

O processo de cura começa quando todos, a começar pela família a encarar a dependência química como uma doença progressiva, incurável, mortal, mas com tratamento.

Isso depende da família pois entendemos que o dependente a certo momento tem suas faculdades mentais afetadas, e por isso fica sem condições de buscar sua cura.

O tratamento hoje tem mais uma alternativa, que por muitos é visto como única solução, que é o internamento involuntária, veja a seguir.

Internação Involuntária, como funciona?

Quando falamos de internamento do dependente químico, ele pode ser pelo menos de três formas:

  1. Voluntário – Acontece quando o próprio dependente procura pelo tratamento de forma voluntária.
  2. Compulsório – Quando a justiça decreta a internação visto que o paciente está trazendo problemas a sociedade.
  3. Involuntária – Quando a família ou um responsável legal busca o internamento sem o consentimento do dependente.

Então como você viu, o internamento é visto como uma solução para a dependência química. Para que ele seja involuntário deve ser uma ação da família.

Assim, ela deve ser tomada antes que o problema perca o controle e vire um problema social.

Quando a família demora a tomar uma decisão está correndo um grande risco de se tornar um problema social e precise da intervenção da justiça, então entender o momento certo para a internação involuntária se torna um ato de amor e respeito pelo doente.

Internação Involuntária e a legislação

Amparada pela Lei nº 13.840, de 5 de junho de 2019.

Os pontos altos dessa lei preveem:

  • Realizada após a formalização da decisão por parte do médico responsável;
  • Indicada depois de avaliação sobre a droga utilizada, o padrão de uso e quando fica clara a impossibilidade de recorrer a outras alternativas terapêuticas;
  • Interrompida a qualquer momento pelo familiar responsável;
  • Ministério Público ou à Defensoria Pública deve ser informado sobre todas as internações e altas.

Apesar de não ser uma decisão particular da família, pois está embasada por um médico e comunicação judicial da decisão, existe o primeiro passo. Portanto, este deve partir de um familiar ou responsável legal da pessoa a ser internada.

Por isso, veja agora o momento certo para internação involuntária e tome a decisão na hora certa.

Momento certo para internação

Não existe um momento certo para internação.

A internação do dependente químico é considerada o tratamento. Quando o caso saí do cerco familiar, essa atitude pode ser tomada pela justiça de forma compulsória.

Neste caso, o momento certo para internação é dado pela justiça, pois o tratamento foge do controle familiar.

Tomar a decisão no momento exato pode evitar problemas maiores, então agora você verá sinais que servem de alerta para saber o momento certo para internação involuntária.

Então, de uma forma resumida e clara, quando a dependência já está se tornando um problema incontrolável e muito grave, com toda certeza a internação pode ser uma boa opção.

Mas, para ficar mais claro, veja alguns dos principais motivos que podem mostrar que aquele se trata do momento certo para internação involuntária:

Falta de comprometimento com compromissos antigos

Todo ser humano tem uma rotina de vida, a qual ele se preocupa em cumprir. Muitas vezes o usuário de drogas perde esse interesse por suas atividades rotineiras, como trabalho, esportes, estudos e sociabilidade.

Esse comportamento serve como um sinal de alerta. Portanto, redobre a atenção sobre o dependente.

Uso intenso de drogas

A droga é uma armadilha, por mais que se pense que o vício nasce com a primeira vez que se tem contato com as drogas, isso não é bem assim.

Uma sensação de felicidade é o que faz o usuário voltar a usar a droga outra vez, e depois de algumas vezes surge o desejo que essa sensação de prazer nunca pare, então nesse momento a dependência se instala.

Com a progressão da doença, o dependente perde seu controle e quer viver todo tempo drogado. Como se para ter a sensação do efeito da droga precise de doses maiores e mais constantes para saciar.

Algumas características físicas se apresentam com essa progressão, como: olhos vermelhos e lacrimejantes, alteração de peso, apetite e perda de peso.

Esse é um dos momentos mais evidentes que esse dependente perdeu seu controle.

Perda do convívio social

O isolamento é uma rota esperada nesses casos, pois seu aspecto físico já chama a atenção, seu desejo querer ter acesso a droga livremente lhe afasta dos olhares conhecidos, pois daí vem as interrogações.

O dependente se afasta dos momentos com a família, amigos, cônjuge e outros ambientes sociais.

Os fatores psicológicos também somam a decisão do isolamento, pois as químicas provocam paranoias e depressão.

Isolamento profundo

Esse é outro tipo de isolamento, ou talvez uma piora do quadro. No primeiro que citamos podemos dizer que é um isolamento externo, ou da vida externa. Nesse nível podemos dizer que seria um isolamento total, se tranca em seu mundo.

Somente o tratamento pode restabelecer a vida social do dependente.

Comportamento agressivo extremo

A química ataca a condição mental do usuário, e por isso seu comportamento pode mudar, a agressividade pode fazer parte de sua rotina, como arma contra o preconceito, ou mesmo fruto de suas paranoias.

Aqui podemos dizer que o momento certo para internação involuntária já passou, pois aqui corre risco a todos, família, cônjuge, filhos e amigos.

É nesse nível que a justiça pode ser acionada. Quando a situação foge de seu controle. É importante não chegar nesse ponto.

Considerações finais

Agora que você sabe o momento certo para internação involuntária, o que está esperando para ajudar aquela pessoa próxima?

Não esqueça de contar conosco do Grupo Encontre Clinicas de Reabilitação, pois nós te ofereceremos o contato com as melhores opções do país.

Assim, você vai ter acesso a clinicas com profissionais qualificados e também toda uma estrutura para um tratamento adequado.

Quer saber mais?

Contate-nos:

Compare listings

Comparar