Resgate 24 horas em todo território nacional. +55 44 99155-7195

Os principais efeitos e malefícios da cocaína no nosso corpo

os pricipais efeitos e maleficios da cocaina no nosso corpo

Você conhece hoje quais são os principais efeitos e malefícios da cocaína no nosso corpo? Tem ideia dos riscos que essa droga pode trazer?

A cocaína é uma droga estimulante altamente viciante usada por 14 a 21 milhões de pessoas em todo o mundo.

E, infelizmente, muitas pessoas sofrem consequências desagradáveis como resultado do uso de cocaína, tendo noção dos malefícios que estão obtendo apenas quando é tarde demais.

Dessa forma, para você ficar por dentro dos malefícios que essa droga pode vir a causar, nós separamos esse artigo onde falaremos tudo sobre os efeitos e malefícios da cocaína no nosso corpo.

O abuso da cocaína

A cocaína tem um alto potencial de abuso, dependência física e psicológica, e representa muitos riscos sérios para a saúde dos usuários.

Atualmente, ela tem alguns usos medicinais como anestésico local, mas nesses casos, sendo uma droga rigorosamente controlada.

Assim, como estimulante do sistema nervoso central, a cocaína eleva funções vitais da vida, como pressão arterial, temperatura corporal e frequência cardíaca.

Dessa forma, aqueles que usam cocaína geralmente precisam de menos sono, têm menos apetite e têm mais energia e foco, onde tudo isso pode desencadear em sequência, uma série de outros problemas até mais graves.

E, isso as vezes é mascarado devido as sensações causadas pela droga. Dessa forma, ao mesmo tempo que acaba com o corpo, os indivíduos podem se tornar mais falantes e excitantes, aumentando a autoconfiança e sensação de bem-estar.

Por fim, devido afetar diretamente o sistema nervoso central, a falsa sensação de bem-estar será momentânea, mas podendo trazer consequências graves pelo resto da vida

Efeitos colaterais de curto prazo do uso de cocaína

Os efeitos da cocaína são quase imediatos e podem durar de alguns minutos a uma hora de duração.

Sendo assim, os efeitos colaterais de curto prazo do uso de cocaína podem incluir:

  • Sentimentos de euforia, alerta, inquietação e/ou energia;
  • Diminuição da necessidade de comida ou sono;
  • Mais falante;
  • Pupilas dilatadas;
  • Aumento da frequência cardíaca, pressão arterial e temperatura elevada;
  • Ansiedade, pânico, paranoia, tremores e comportamentos potencialmente erráticos com comportamentos violentos;
  • Dor abdominal e náusea.

No entanto, assim como os efeitos a longo prazo, tudo isso pode variar de pessoa para pessoa.

Efeitos colaterais a longo prazo do uso de cocaína

Os efeitos colaterais a longo prazo do uso de cocaína podem incluir:

  • Danos cardiovasculares: Coágulos sanguíneos, ataques cardíacos, derrame, angina, aumento da pressão arterial, arritmia.
  • Seios e/ou danos orais: perfurações septais ou orifícios, colapso da estrutura do nariz, problemas respiratórios, perfurações palatais.
  • Problemas respiratórios: Escarro preto, tosse, chiado, dor.
  • Danos cerebrais e problemas neurológicos: mini-derrames, convulsões, atrofia cerebral (encolhimento cerebral), inflamação, febre alta, alterações no humor (irritabilidade, ansiedade, depressão), tremores, fraqueza muscular e mudanças na capacidade de tomar decisões, resolver problemas, entender informações, aprender e memorizar.

Por que a cocaína é viciante?

A cocaína age sobre as vias de comunicação do cérebro e interrompe o mecanismo típico de certos neurotransmissores, como a dopamina. Por sua vez, isso pode fazer alguém se sentir mais eufórico do que o normal.

Quando as pessoas são expostas a algo que as faz felizes, como um alimento saboroso, experiências sexuais ou outro estímulo positivo, o cérebro libera o mensageiro químico ou neurotransmissor, dopamina, para significar prazer.

Logo após, a dopamina é então reciclada de volta ao neurônio, encorajando as pessoas a repetir qualquer comportamento ou evento que tenha criado essa onda de felicidade e reforçando os caminhos naturais de recompensa em seu cérebro.

Dessa forma, drogas como cocaína contornam e interferem nesse processo impedindo que a dopamina seja reabsorvida.

Assim, isso cria uma inundação do neurotransmissor no cérebro, que é o que cria o intenso “alto” aqueles que usam cocaína.

Como a cocaína deixa a corrente sanguínea, baixos extremos podem ser experimentados como uma espécie de “acidente”.

Desse modo, os níveis de apetite podem aumentar e a fadiga pode se estabelecer, reforçando o impulso de tomar mais da droga.

O uso repetido de cocaína pode realmente fazer com que o cérebro pare de fazer tanta dopamina por conta própria, uma vez que se acostumou com os níveis mais altos iniciados pela interferência da cocaína.

Neste ponto, uma dependência da cocaína pode se formar, fazendo com que um abusador regular da droga se sinta deprimido, irritável e ansioso sem ela, além de desejos pela droga.

As pessoas podem, então, continuar a abusar da cocaína a fim de autorregular seu prazer e felicidade, e para evitar sintomas de abstinência. Isso altera intrinsecamente os circuitos de motivação e recompensa no cérebro.

Por fim, os viciados em cocaína podem sentir que precisam da droga para se sentirem normais novamente.

Do abuso de cocaína ao vício

Primeiramente, existem vários fatores que podem estar envolvidos em por que algumas pessoas podem ser mais propensas a se tornar viciadas em cocaína do que outras, incluindo:

  • Idade no primeiro uso
  • Método de ingestão
  • Quantidade de droga tomada em cada dose
  • Tempo de abuso de cocaína
  • Genética e fisiologia pessoal
  • Histórico de saúde médica e mental
  • Uso de múltiplas drogas ou substâncias

O método em que a cocaína é abusada também pode influenciar o aparecimento do vício.

Assim, a cocaína é uma droga de ação rápida, e diferentes métodos de tomá-la desempenham um papel na rapidez com que ela é absorvida e excretada do corpo.

Uma absorção mais rápida pode levar a um “alto” maior, mas também um menor.

Quanto mais frequentemente a cocaína é abusada, mais o cérebro é afetado, o que pode resultar em tolerância a certos níveis da droga.

Depois que o cérebro se torna tolerante com doses regulares de cocaína, o usuário pode então precisar aumentar a dosagem para continuar a experimentar os mesmos sentimentos.

Dessa forma, o aumento da dosagem também aumenta as chances de se tornar dependente da cocaína, causando o famoso vício.

Além disso, o uso de mais de uma droga de cada vez aumenta consideravelmente todos os riscos potenciais e efeitos colaterais cocaína para cada substância abusada.

Malefícios da cocaína

Os principais efeitos e malefícios da cocaína no nosso corpo podem incluir:

  • Overdose;
  • Infecção pelo HIV;
  • Infecção por hepatite B;
  • Distúrbios de humor;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Doença respiratória;
  • Doença gastrointestinal;
  • Pressão alta;
  • Abuso de drogas;
  • Derrame;
  • Perda de peso;
  • Convulsões;
  • Padrões de sono alterados;
  • Perda de memória;
  • Tempo de reação lento;
  • Pouco tempo de atenção;
  • Diminuindo o tamanho do cérebro;
  • Hemorragias nasais;
  • Colapso do nariz.

Onde encontrar um tratamento adequado para cocaína?

Acima você pôde conhecer um pouco mais a fundo sobre os principais efeitos e malefícios da cocaína no nosso corpo, e o quanto ela pode ser prejudicial.

No entanto, a dúvida que não quer calar nesse momento é: o que fazer para tratar um dependente, e evitar esses malefícios?

Até porque, se você procurar um local adequado nos momentos iniciais da dependência, se torna totalmente possível reverter essa situação.

Ou seja, aquela pessoa que sofre com a dependência, poderá reverter a situação, e assim conseguir ter de volta uma qualidade de vida.

E, para tudo isso, o essencial é buscar sempre por uma clínica de recuperação especializada para dependentes da cocaína.

Isso porque, lá será o local onde os profissionais saberão como tratar aquele dependente, e oferecer a ele o tratamento adequado e direcionado com base na sua atual situação.

Inclusive, nós do Grupo Encontre Clínicas somos referência quando o assunto são clinicas de recuperação, possuindo unidades em todo o Brasil, a disposição para te ajudar nessa situação.

São clínicas com atendimento 24 horas, resgate imediato, e todo o time de profissionais especializados e prontos para te atender.

Por fim, entre em contato agora pelos telefones e fale com um de nossos profissionais:

(44) 31382122

(11) 96262-2008

paulo esidio

Sou diretor de marketing do Grupo Encontre Clínicas e terapeuta a mais de 15 anos com especialidade em dependência química e alcoólica e outros transtornos, trabalho com direcionamento e encaminhamento para tratamento em clínicas de recuperação em todo Brasil. Precisando de Ajuda estou a disposição (11) 94159-5453.

Compare listings

Comparar