Resgate 24 horas em todo território nacional. +55 44 99155-7195

Um dependente químico não tem sentimento?

dependente quimico nao tem sentimento

Algumas pessoas pensam que um dependente químico não tem sentimento, pois, muitas vezes, ele acaba prejudicando familiares e pessoas próximas para suprir seu vício.

E, diante dessas suas atitudes, as vezes pelo próprio efeito da substância, não demostrar remorso ou até arrependimento de ter aquela atitude.

Ou seja, fazendo com que principalmente, as pessoas que a conheciam antes do vício, achar que os seus sentimentos não existem mais.

No entanto, será que é isso mesmo? Será que o dependente químico não tem sentimento? Será que se uma pessoa que usa droga consegue amar?

Por fim, nós do Grupo Encontre Clínicas de Recuperação criamos esse artigo onde falaremos tudo sobre como funciona a mente de um indivíduo que sofre dependência.

O que o vício faz com o cérebro?

O vício afeta o cérebro em muitos níveis. Os compostos químicos em estimulantes, nicotina, opioides, bebidas alcoólicas e sedativos entram no cérebro e na corrente sanguínea após o uso.

Dessa forma, um produto químico entra no cérebro, pode fazer com que as pessoas percam o controle de seus impulsos ou desejem uma substância nociva.

Assim, quando alguém desenvolve um vício, o cérebro anseia pela recompensa da substância.

Isso se deve à intensa estimulação do sistema de recompensa do cérebro. Em resposta, muitos usuários continuam usando a substância;

Isso pode levar a uma série de sentimentos eufóricos e traços comportamentais estranhos.

Por fim, o vício de longo prazo pode ter resultados graves, como danos cerebrais, e pode até resultar em morte. Daí vem a ideia de que dependente químico não tem sentimento.

Vício e Causas

Os fatores de risco para o vício incluem genética e estilo de vida.

Dessa forma, a combinação de influências e genética pode fazer com que alguns desenvolvam um transtorno por uso de substâncias mais cedo na vida do que outros.

Além disso, um dos fatores que pode levar uma pessoa a imaginar que um dependente químico não tem sentimentos pelas suas atitudes, é qual substância ele usa.

Até porque, cada substância oferece um efeito específico no corpo de um dependente, onde existem algumas em especifico que podem influenciar diretamente nas características psíquicas do indivíduo.

A bioquímica do vício

O cérebro responde ao vício com base em vários fatores, como o tipo e o número de drogas usadas, a frequência de uso e o estágio do vício que se desenvolveu.

Nesse sentido, se alguém usa cocaína, por exemplo, perceberá uma sensação de euforia.

Até porque, a cocaína é psicoativa e afeta a área do cérebro que controla o prazer e a motivação.

O dependente químico ama essas sensações, e começa a buscar por ela insaciavelmente.

Há uma explosão curta e poderosa de dopamina, a substância química que faz com que muitos se sintam eufóricos. Esse sentimento pode ser tão intenso que um forte desejo de continuar usando pode se formar.

Quanto mais alguém abusa de uma droga, mais pode continuar a usá-la, a menos que obtenha ajuda para superar um vício que ameaça a vida. Uma vez que o produto químico tenha afetado o cérebro, os indivíduos podem sentir sintomas físicos, bem como o impacto do produto químico em todo o sistema nervoso.

Os sintomas podem incluir batimentos cardíacos acelerados, paranoia, náusea, alucinações e outras sensações perturbadoras sobre as quais o indivíduo tem pouco controle.

Desse modo, ele pode ficar consumido com o abuso da substância para manter seu hábito, não importa o custo.

Por fim, como resultado desse poderoso controle do abuso de substâncias, os indivíduos podem começar a agir de maneiras irreconhecíveis; isso pode dizer respeito a amigos e familiares.

Não é a toa que vemos com muita frequência um desabafo de uma esposa de um dependente químico, citando as complicações de ter esse tipo de pessoa no convívio diário.

Recompensando o cérebro: como os vícios se desenvolvem

O cérebro regula a temperatura, emoção, tomada de decisão, respiração e coordenação.

Nesse sentido, esse é o órgão principal do corpo também afeta sensações físicas no corpo, desejos, compulsões e hábitos.

Desse modo, sob a influência de um produto químico poderoso e nocivo, os indivíduos que abusam de substâncias como benzodiazepínicos ou heroína podem alterar a função de seu cérebro.

As drogas interagem com o sistema límbico no cérebro para liberar fortes emoções de bem-estar, afetando o corpo e a mente do indivíduo.

Os indivíduos continuam a tomar drogas para sustentar as intensas emoções de bem-estar que o cérebro libera; isso cria um ciclo de uso de drogas e altos intensos.

De uma forma indireta, podemos dizer que a dependência química afeta diretamente os sentimentos de um drogado.

Eventualmente, eles tomam a droga apenas para se sentirem normais, ao contrário do que se pensa que dependente químico não tem sentimento.

Portanto, podemos inclusive usar isso para entender o porque um dependente químico mente sobre o uso de drogas, afirmando que está bem em usar e dentre outras coisas, rejeitando até mesmo um tratamento, uma vez que ele se torna viciado nessas sensações.

O Cérebro e Abstinência

Como consequência da dependência de drogas, o cérebro recompensa o comportamento prejudicial.

Desse modo, ela estimula a toxicodependência, mantendo o indivíduo num ciclo de altos e baixos; o usuário pode se sentir como se estivesse em uma montanha-russa emocional, sentindo desespero e depressão sem sua substância de abuso. O que contraria a ideia de que dependente químico não tem sentimento.

Uma vez que alguém de repente para de usar, há resultados mentais, físicos e emocionais severos.

Os indivíduos podem experimentar sintomas angustiantes que não podem ignorar para algumas substâncias; os sintomas de abstinência são geralmente mais fortes para algumas substâncias do que para outras.

No ponto de abstinência, alguém que para de usar heroína experimenta desejos intensos, depressão, ansiedade e sudorese. Muito disso se deve à religação do cérebro após o uso prolongado de heroína.

Nesse estágio, o indivíduo pode não ter um vício completo; uma tolerância ou dependência pode ter desenvolvido, no entanto.

Além disso, com o tempo, o alto volume de produtos químicos inunda o cérebro; o cérebro adapta-se correspondentemente aos efeitos mentais da substância.

O cérebro então reduz sua produção de neurotransmissores, mensageiros químicos no cérebro. Os sintomas de abstinência geralmente precisam de tratamento profissional, o que pode ajudar significativamente a reduzir a chance de recaída e os riscos de acidente vascular cerebral e ataque cardíaco.

Onde encontrar um tratamento adequado para um dependente químico?

Você viu anteriormente tudo sobre se um dependente químico não tem sentimentos. No entanto, saiba que além de entender essa característica psíquica, é essencial para oferecer a essas pessoas um tratamento adequado.

Até porque, caso os seus sentimentos venham a ser afetados, no longo prazo, esse vício pode apresentar características ainda piores.

Ou seja, sim, infelizmente, o dependente químico pode ter ainda mais problemas do que possui, afetando diretamente seu bem-estar e das outras pessoas.

O sentimento de um adicto é totalmente alterado, trazendo consequências graves.

Dessa forma, para contornar essa situação, e lutar contra essa dependência química, o primeiro ponto é procurar uma clínica de reabilitação.

Encontre as melhores clinicas de recuperação em todo brasil, podemos te ajudar nesse processo, onde juntos, encontraremos o melhor tratamento mais próximo a você.

Assim, você vai conseguir ter acesso a uma clínica que consiga trazer todo o suporte necessário, oferecendo uma recuperação rápida e de qualidade.

Por fim, o que está esperando para trazer esse tratamento contra a dependência? Estamos prontos e ansiosos para te atender.

Entre em contato conosco agora mesmo, e faça sua avaliação!

Dúvidas frequentes

A dependência química pode afetar os sentimentos?

Sim, a dependência química pode afetar os sentimentos de uma pessoa de várias maneiras. O uso de substâncias psicoativas pode modificar a química do cérebro, levando a alterações no humor, na percepção emocional e na regulação emocional. Além disso, a culpa, a vergonha e a frustração associadas à dependência podem intensificar essas alterações emocionais.

Os dependentes químicos podem ter dificuldade em expressar seus sentimentos?

Sim, muitas vezes os dependentes químicos têm dificuldade em expressar seus sentimentos devido às mudanças na química cerebral, à negação da doença, à vergonha ou ao medo do julgamento. Eles podem reprimir suas emoções ou usar a substância como uma forma de lidar com elas, o que pode dificultar ainda mais a comunicação emocional saudável.

Os dependentes químicos perdem a capacidade de amar?

Não, os dependentes químicos não perdem a capacidade de amar. No entanto, o amor e os relacionamentos podem ser afetados pela dependência. A substância pode se tornar a prioridade principal na vida da pessoa, levando a conflitos e dificuldades nos relacionamentos familiares, amorosos e sociais.

Compare listings

Comparar